segunda-feira, outubro 26, 2009

explicâncias inúteis

e lá vou eu, sem saber que lado tomar na via.
nem adianta toda tua retórica vazia,
posso até saber do teu tesão,
posso até saber da minha ânsia em te ver,
posso até saber do que poderíamos ainda ser.
mas sigo sem nem imaginar,
pra que lado vou me conduzir:
se te limo feito ferrugem e passo tinta nova no lugar,
se dobro a próxima esquina e somente sigo:
nem olho pra trás, nem cogito voltar.

3 comentários:

AMARela Cavalcanti disse...

vidas antigas se reconhecem mesmo e tem gente que ainda não acredita nessas coisas.
nosso faro de felino não nos deixa errar com amigos de longa data, nem com as outras pessoas.
desde o primeiro momento nos reconhecemos e relembramos a adoração passada.

beijo da espécie, amora minha!

não preciso dizer que te adoro, preciso???

saudadescas!!!

Clara disse...

Não importa qual caminho iremos escolher na vida, o que importa, de fato, é que façamos daquele caminho escolhido o melhor de todos.Façamos dele o caminho vital, pessoal e com a nossa "cara"!!

xêros, flor minha!

lagarta disse...

minhas queridas,
tecemos essa linha juntas, complementando-nos nos re-conhecimentos, nas lentes pelas quais traçamos nossos mapas. afinidades eletivas, já nos foi ensinado há muito...
que delícia isso!
beijos e obrigada por fazerem parte disso aqui!