domingo, maio 02, 2010

canteiro laborioso




vontade de fazer lugar
franciscano sítio
onde espraiar a alma
contida pelo canto
do corpo cativeiro

um cultivo de subsistência
que se assenta
em comedidas abundâncias

um jardim sem distâncias
em que conversam rosas e jasmins
e não disputam
com vulgares borboletas brancas
nem belezas, nem olores
nem visitantes
passarinhos

um canteiro de nonsenses
e um cultivo de abandonos
pra que se atinjam
os condensados sonos
e os sonhos encravados

até nas insuspeitas gentes
que pelos desvãos dali passam
sem saber que lá se perdem
porque adentram espaço
em que lei não é regra
e só tudo o que impera
é a voz do silente

Um comentário:

Adely disse...

i just love it
and i see me
standing there by your side
how wonderful is it, to build such a beautiful place only using words?
w o r d s - how powerful are these spiritual creatures?
this mistery has always and will always keep us attached, my dear...